G PoA

cfj

Anos 70

Cidade de minha infância e adolescência

São Jerônimo RS, desde 1999 compõe a Região Metropolitana de Porto Alegre

Nasci no Centro, em setembro, por parte de pai jeronimense, de origem inglesa e com ancestrais franceses (Johnson, oriundo do Engº James, inglês responsável pela prospecção de carvão em solo gaúcho;  Corlett, Sans), por parte de mãe porto-alegrense, totalmente portuguesa (sobrenomes: Abreu, Alves, Amorim). Meu avô paterno era comerciante, proprietário da Casa Feliciano Johnson, minha avó foi cabeleireira e confeccionava sutiãs para vender na loja, era algo exclusivo para a época, e que ela tinha trazido o know-how da França. Meu avô materno foi mecânico de aviões na Base Aérea de Canoas, trabalhou na Met. Wallig, era muito inventivo, abriu o Bar do Seu Manoel; minha avó foi operária da Neugebauer, após montou uma sorveteria artesanal, aí engressei no universo dos sabores. Tínhamos Minuano Limão, Laranjinha, chocolate Três Fazendas e bala gasosa à vontade, mas cada vez que íamos até o balcão pegar um, o avô frisava, tira a mão boba daí, minha mãe só lembrava do Crush.

Meus padrinhos eram retratistas, então a fotografia me foi algo íntimo e do cotidiano.

Meu travesseiro se chamava Joio e o cobertor Pertensão.

Ganhei minha caloi.

Tive as bonecas Fofolete, Chuquinha, Cherry, a Susi herdei de minha irmã mais velha, assim como as roupas que não cabiam mais.

Usava o xampu da joaninha e creme rinse.

Nos domingos comíamos mandiopan. Minha tia Mª fazia creme de coco com a fruta ralada na hora, sobravam uns nozinhos e chá da casca do abacaxi, uma delícia.

Frequentava o Clube Náutico e meu pai tinha uma lancha que se chamava Audaz, atravessávamos seguidamente para a Ilha das Flores e um pouquinho antes de chegar podíamos saltar e ir nadando até a beira, às vezes pisava em tabatinga, nem sempre o fundo era de areia.

Aprendi a pescar no rio Jacuí, com minhoca e anzol, às vezes com massinha de pão, com meu tio Donguinho e, como tinha uma turma de gatos: herdei da minha avó paterna o Turrão, tive o Bonzo (nome da 1ª ração canina) que comia melancia na talhada e milho verde agarrando o sabugo, o Teto e o Tuta, minha obrigação era buscar peixe fresco para eles, como Cará, Lambari e Viola.

A distração era fazer tricô, assistir Festa Baile na TV, ouvir rádio, andar de bicicleta ou sentar na calçada.

No carnaval jeronimense desfilava pelo Não Sai, adorávamos o Bloco do Boi, uma folia bem brasileira.

Aprendi a cozinhar com minha avó Irma, aos 8 anos e por incentivo de minha vizinha Bilita, passei a colecionar receitas e a criar cadernos caprichados. Minha avó servia refresco de groselha durante as refeições.

Anos 80

  • 1981

Escola Thomas Alva Edison (1847-1931), inventor da lâmpada,  na Vila Residencial CEEE

referencia de qualidadeEstudei até a 4ª série – Minha 1ª professora foi a minha mãe no pré. A alfabetizadora foi a Elisa Marta e ela, em 1978, identificou que seria escritora, perante a minha capacidade de compor textos. A primeira profissão que almejei foi jornalista. Nesta Escola fui apresentada para a poesia da Cecilia Meireles (1901-64).

Caminhando pelas ruas, ou mesmo no pátio, a fuligem entrava nos olhos, sem querer, pois estávamos nas imediações da Usina, mantenedora da Escola. Lembro de comer peras das árvores da Vila, porque tinha uma tia por parte de pai que residia lá, ela, muito criativa, fazia roupas em crochê para seus animais de estimação, não se usava tratar os bichos assim, tinha inclusive um sagui.

Ganhei a minha 1ª Melissa.

Comecei a ter diários,  cadernos de memórias, a organizar as fotos em álbuns.

  • 1985

Escola São Jerônimo

Estudei até a 8ª série, o meu currículo de estudo abrangia Técnicas Domésticas, aprendi a fazer álbum seriado, cardápio semanal e Língua Inglesa.

Nadava no Clube do Comércio e ia nas reuniões dançantes do Clube 1º de Maio.

Nos aniversários meu irmão contratava o Regional, um grupo local que tocava samba e MPB, capitaneado pelo Marrom.

am 019As capas dos cadernos eram elaboradas com colagem, um tipo empírico de scrapbook.

Escola de Datilografia e Mecanografia Rada, funcionava nas dependências da Escola Carlos Maximiliano – curso de dalilografia dipl. 542 l. 1 f. 9

  • 1989

am 018Escola Cenecista Carlos Maximiliano (1873-1960) – formação: Técnico em Contabilidade

Comecei a assinar revistas: a Geográfica Universal, a Superinteressante, a revista de bordo da VARIG Ícaro

Comprei meus All-Star, um luxo, pois meu irmão usava kichute e o meu pai até hoje fala em Guides.

Anos 90

São Francisco de Paula

Torres

São Leopoldo

  • Unisinos

Cursei Secretariado Executivo Bilíngue

1991

Uniarte – Salão Universitário de Comunicação

11/1991 Workshop Como Fixar um Perfil no Mercado

1992

5/1992 Seminário Secretárias Executivas – reg. 141, fl. 088, lv. 10-8

1994

Argentina, Uruguai e Paraguai

1995

Itália, França, Suíça

1996

Argentina, Chile e Uruguai

1997

Austrália e Nova Zelândia

Nasceu minha primogênita

1998

Uruguai

Anos 2000

Itália, Suíça

Itaú Cultural

Gestão e Políticas Culturais

2007

Argentina

2008

Argentina

Anos 2010

São Paulo

11/2010

FACAMP – Faculdades de Campinas e Instituto Tomie Ohtake SP

Seminário Design Público e Consumo Popular

2012

Uruguai

RIO

2013

RIO

Argentina

2014

RIO

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s