Bom Fim

O querido Bonfa (antigo Campo da Várzea) é ladeado pela Redenção (Parque Farroupilha), onde na avenida Osvaldo Aranha (antiga Bom Fim) situa-se o Auditório Araújo Vianna, palco de lendários shows, aos domingos ocorre o Brique e aos sábados acontece a Feira Ecológica, anualmente em setembro, no Monumento ao Expedicionário tem uma Feira de Troca de Livros e comemora-se, em novembro, a Parada Livre. Possui Sinagogas, o que confere uma singular identidade judaica. Constitui-se pela juventude alternativa, devido a proximidade da UFRGS, foi onde nasceu o movimento ecológico e em busca de uma alimentação mais saudável, com a extinta Cooperativa Coolméia (1978-2006). Tem vida noturna agitada, foi um bairro de encontro punk. Toda terça é dia do consagrado Sarau Elétrico (desde 1999), no Ocidente Bar (desde 1980). A Lanchera (Lancheria do Parque) é um ponto de encontro de todas as tribos. Este é o bairro do personagem Magro do Bonfa (1993). Foi onde residiu o escritor Moacyr Scliar (1937-2011). Também tornou o músico  Nei Lisboa, o senhor do Bom Fim (Correio do Povo 1/12/2010). Para a dinamização da vida cultural foi criado o Corredor Cultural Bom Fim, que abrange as instituições culturais e livrarias. A Traça é o maior sebo nacional.

Berlim, Bom Fim – Nei Lisboa – 1987

Já vejo casas ocupadas
As portas desenhadas
No vergonhoso muro da Mauá
Os velhos nos cafés
O Bar João em plena Kriegstrasse
A saga violenta desse parque
O cinza da cidade partido verde ao meio
Cheiros peculiares ao recheio
De um bolo de concreto
Repleto de chucrute e rock’n roll
E depois da meia-noite
A fauna ensandecida do Ocidente
Digitando em frente ao Metropol
Berlim, Bom Fim
Berlim, Bom Fim

  • Deu pra ti – Kleiton e Kledir

Deu pra ti
Baixo astral
Vou pra Porto Alegre
Tchau! Quando eu ando assim meio down
Vou pra Porto e bah! Tri legal
Coisas de magia, sei lá
Paralelo 30
Alô tchurma do Bonfim
As gurias tão tri afim
Garopaba ou Bar João
Bela dona e chimarrão
Que saudade da Redenção
Do Fogaça e do Falcão
Cobertor de orelha pro frio
E a galera do Beira-Rio

  • Amigo Punk – Graforréia Xilarmônica

Amigo punk
Escute este meu desabafo
Que a esta altura da manhã
Já não importa o nosso bafo

Pega a chinoca, monta no cavalo
E desbrava esta coxilha
Atravessa a Osvaldo Aranha
E entra no Parque Farroupilha

Amanhecia e tu chegavas em casa com asa
A tua mãe dá bom dia
E se prepara pra marcar
O gado com o ferro em brasa

E não importa se não tem lata de cola
Eu quero agora é sestear nos meus pelego
Com meu cavalo galopando campo afora
O meu destino é Woodstock, mas eu chego

Aonde eu ouço a voz da cordeona
Já escuto o gaiteiro puxando o fole
Vai animando a gauderiada no bolicho
Enquanto eu sigo detonando o hardcore

  • Magro do Bonfa
  • Sebo Traça
  • Osvaldo Aranha 1086 – Um dia na Lancheria do Parque – 2012

  • Caminhando por Porto Alegre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s